A- A+

A trajetória política de João Goulart

<<  Albino Silva

Albino Silva nasceu no dia 30 de junho de 1909, em Curitiba, filho de Aldo Silva. Ingressou na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, em 1927, concluindo o curso de engenharia militar em 1930. Cursou a Escola de Armas e a Escola do Estado-Maior do Exército e a Escola Superior de Guerra.

Em 1958, foi relator da comissão criada pelo presidente Juscelino Kubitschek (1956 a 1961), com o objetivo de averiguar o conflito entre o Conselho Nacional do Petróleo (CNP) e a Petrobras, envolvendo esferas de atribuição. O relatório final dos trabalhos concluiu ter a Petrobras tomado várias decisões envolvendo compras de petroleiros e localização de novas refinarias sem a aprovação do CNP, mas que este, por sua vez, mostrava-se lento na análise e aprovação dos programas que lhe eram submetidos pela empresa estatal.

Em 1961, Albino Silva foi transferido para Porto Alegre, onde exerceu interinamente a chefia do estado-maior do III Exército. Em maio de 1962, no governo de presidente João Goulart (1961-1964), foi nomeado assessor militar da delegação brasileira na Comissão Mista Brasil-Estados Unidos. Em setembro, assumiu a chefia do Gabinete Militar da Presidência da República.

Albino Silva deixou a chefia do Gabinete Militar para ocupar, em junho de 1963, a presidência da Petrobras. Ao assumir o cargo, declarou que as falhas da Petrobras deveriam ser atribuídas "à própria empresa e não aos trustes internacionais do petróleo". Em fins de janeiro de 1964, acusou um diretor e alguns chefes de serviço da Petrobras de terem negociado contratos ruinosos para a empresa e solicitou ao presidente da República a demissão do diretor acusado. Ao mesmo tempo, esse diretor acusou Albino Silva pelos mesmos motivos. Goulart interveio demitindo Albino e também os demais envolvidos, e nomeando uma comissão especial para apurar irregularidades. Na Câmara dos Deputados, criou-se uma CPI com a mesma finalidade, mas não foram comprovadas as denúncias.

Após o golpe militar de 31 de março de 1964, que depôs João Goulart, foi editado o Ato Institucional nº 1, que permitiu cassações, demissões e expulsões de adversários do novo regime. Por força deste ato, Albino Silva foi transferido para a reserva.

Faleceu no dia 22 de abril de 1976, no Rio de Janeiro.

Foi casado com Maria Aparecida Pimpão Silva, com quem teve um filho.

[Fonte: Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001]

  Twitter Facebook Youtube Flickr Eclass      Mais   

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2017. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede

randomness