A- A+

O Governo de Juscelino Kubitschek
JK rumo à presidência > Um candidato otimista

Um candidato otimista

Em sua campanha presidencial, JK seguiu à risca o que se convencionou chamar o "manual do bom pessedista". Uma regra básica desse manual prescrevia a busca de apoio das bases locais. Na ótica pessedista, nenhum candidato teria sucesso no plano nacional se não trouxesse atrás de si seu município ou seu estado. Juscelino começou, assim, por conciliar com seus opositores em seu próprio estado, Minas Gerais, para conseguir ser indicado candidato do PSD e em seguida chegar à presidência.

Cortejo fúnebre de Getúlio Vargas no Rio de Janeiro. João Goulart no velório de Getúlio Vargas As eleições presidenciais de 1955 foram as mais concorridas das quatro eleições do gênero realizadas no período que vai de 1945 a 1960. E isso por três razões. Em primeiro lugar, o impacto do suicídio de Vargas gerou entre os antigetulistas o temor de que uma candidatura vinculada ao getulismo pudesse manobrar a opinião popular e lançar o país em aventuras políticas. Esse temor era agravado pelo fato de o vice da chapa de JK ser João Goulart, o Jango, fiel escudeiro de Getúlio e um dos pivôs da crise do governo, que chegara ao clímax em agosto de 1954 com o suicídio de Vargas. Em segundo lugar, a oposição a Vargas, em aliança com setores militares, julgou ser aquele o momento mais adequado para impor uma candidatura conservadora que extirpasse o velho populismo nacionalista. Em terceiro lugar, as dissidências partidárias foram a regra dentro dos três maiores partidos: PSD, UDN e PTB. Essas dissidências obrigaram o PSD, pela primeira vez, a fazer intervenções em diretórios estaduais (em Pernambuco e no Rio Grande do Sul) para impor a disciplina partidária.

Depois de várias tentativas visando a uma candidatura de "união nacional", chegou-se a um elenco de alternativas que espelhavam bem o clima ideológico da época. À extrema direita havia a candidatura de Plínio Salgado; o centro-direita (UDN e seus aliados) apresentava a candidatura de Juarez Távora; o populismo urbano aparecia através da figura do paulista Ademar de Barros (PSP). Em meio a essa oferta, em 3 de outubro de 1955, JK, o ungido do getulismo e da aliança PSD-PTB, foi eleito com apenas 33,82% dos votos, o percentual mais baixo a eleger um presidente até então.

Aspectos da campanha de Juscelino Kubitschek, [entre fev. e set. 1955] A disputa acirrada, as ameaças militares contra a candidatura de JK, explícitas ou veladas, obrigaram o candidato a pôr em prática uma campanha que não acusava opositores, não lamentava obstáculos, mas enfatizava suas intenções e sua capacidade como realizador. Era uma campanha "voltada para o futuro", que se explicitava através de metas a serem alcançadas. Foram apresentadas 30 metas de governo, com seus respectivos custos e fontes de financiamento, "coroadas" pela "meta-síntese": a construção de Brasília. O programa de governo foi sintetizado no lema "50 anos em 5".

Convenção do PSD que homologou a candidatura de Juscelino Kubitschek à presidência da República, 10 fev. 1955 Vencida a eleição, de maneira apertada, começaram as tentativas para impedir a posse de JK, prolongando-se a crise política e militar que se desenhara com o suicídio de Vargas. A oposição udenista tentava impedir a posse alegando não ter o candidato obtido a maioria absoluta de votos e ter recebido o voto dos comunistas – os quais, de fato, explícita e publicamente o apoiaram. Os militares a todo momento entravam em cena, ou para apoiar JK, com o seu Movimento Militar Constitucionalista, ou para constrangê-lo. O calor do debate político acabaria por levar ao Movimento do 11 de Novembro, de que os udenistas sairiam derrotados.

O cenário de intolerância udenista e de ingerência militar direta em assuntos políticos, contra ou a favor de JK, conformava um momento extremamente crítico. Mesmo após a posse dos eleitos, acelerou-se a politização das forças armadas, através da pregação em prol do "soldado cidadão", protagonizada pela Frente de Novembro, e das campanhas anticomunistas levadas a cabo pela Cruzada Democrática no Clube Militar. Aumentava também a insatisfação daqueles que, mais uma vez, ficaram privados do poder. JK iria responder a esses desafios conciliando, cooptando, produzindo confiança, empreendendo obras e gerando otimismo na sociedade.

Maria Celina D'Araujo

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2020. Todos os direitos reservados • As manifestações expressas por integrantes dos quadros da Fundação Getulio Vargas, nas quais constem a sua identificação como tais, em artigos e entrevistas publicados nos meios de comunicação em geral, representam exclusivamente as opiniões dos seus autores e não, necessariamente, a posição institucional da FGV. Portaria FGV Nº19
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.