A- A+

O Governo de Juscelino Kubitschek
O Brasil de JK > A invenção do nordeste

A invenção do nordeste

Para se entender a criação da Sudene, é necessário acompanhar o processo de "invenção do Nordeste". Essa parte do território nacional foi sendo identificada ao longo do tempo como aquela que periodicamente é assolada pela seca. E a seca é apresentada como uma tragédia: sabe-se que ela vai chegar, mas não há nada a fazer diante do destino inexorável...

As secas nordestinas vêm sendo estudadas desde o século XIX e já deram ocasião à formação de várias comissões propondo esta ou aquela solução. O primeiro plano de transposição das águas do rio São Francisco, por exemplo, data de 1818. Também já foi tentada a transferência dos nordestinos para a Amazônia, no fim do século XIX e nos anos 1940, quando se inventou o programa "soldados da borracha" para levar os flagelados da seca para lá.

Comissões e viagens científicas fazem parte da gênese do Nordeste. É importante citar as viagens dos médicos Belisário Pena e Artur Neiva, que em 1912 percorreram vários estados da região e identificaram as condições de vida das populações locais. Foram essas viagens que produziram as primeiras mudanças na forma de lidar com os sertanejos do país. Seu resultado foi mostrar a doença, e não o clima e a raça, como o principal entrave ao progresso do interior do Brasil.

Desenhos de Percy Lau O Nordeste como espaço territorial tem data de nascimento. Foi durante o Estado Novo que o IBGE criou a primeira Divisão Regional do Brasil, dividindo o território nacional em cinco regiões: Norte, Nordeste, Leste, Sul e Centro-Oeste. Com a valorização das regiões, instituída oficialmente em 1942, o Estado Novo procurava combater as oligarquias locais que dominavam os estados e buscava integrar as partes em um todo maior. O novo nacionalismo se baseava nas Desenhos de Percy Lau regiões e valorizava as diferenças geoeconômicas e socioculturais. A marca cultural de cada região recebeu amparo nos desenhos de Percy Lau – o seringueiro, a baiana, o vaqueiro do Nordeste e dos Pampas, o jangadeiro são figuras que passaram a povoar os livros de geografia a partir de então.

Desenhos de Percy Lau O Nordeste como espaço de identidade recebeu a contribuição do movimento regionalista de 1926, com Gilberto Freire à frente, e da geração de romancistas - José Lins do Rego, Raquel de Queirós, Graciliano Ramos entre outros - que nos anos 1930 passou a descrever em tom realista as condições de vida e os impasses da sociedade da cana-de-açúcar no litoral e da seca no sertão.

Desenhos de Percy Lau Seca, cangaço, messianismo, lutas entre famílias fundam a própria idéia de Nordeste. As obras de denúncia que desde os anos 30 falam da região trazem como personagens típicos o cangaceiro, o beato, o jagunço, o coronel, todas figuras de um mundo decadente mas que ainda resiste aos novos tempos.

Essa imagem de um mundo violento e cruel se fará presente, por exemplo, nos filmes O cangaceiro, de Lima Barreto (1953); O pagador de promessas, de Anselmo Duarte (1960), baseado em peça de Dias Gomes, que conquista a Palma de Ouro em Cannes em 1962; Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos (1963), baseado em livro de Graciliano Ramos.

A idéia de Nordeste que vai se construindo é a de que aquele é o lugar do atraso, do rural, do passado que resiste às mudanças. Ao mesmo tempo, como contraponto, constrói-se a imagem do Sul como espaço do progresso, da indústria, do futuro.

Em 1952 e em 1958, novas secas atingiram a região. Tentou-se impedir que os nordestinos viessem para o Sul, mas eles vieram assim mesmo e foram participar da industrialização dos anos JK, que tornou São Paulo a maior e mais industrializada cidade da América Latina. Foram também compor a mão-de-obra que construiu Brasília. Nesse caso, foram chamados de candangos.

Uma versão "científica" dos problemas do Nordeste, principalmente da fome, já fizera entrada no panorama nacional através dos trabalhos de Josué de Castro. Mas foi com Celso Furtado que o Nordeste ganhou relevância enquanto objeto de uma política pública específica para a região, simbolizada na criação da Sudene.

Lúcia Lippi Oliveira

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2020. Todos os direitos reservados • As manifestações expressas por integrantes dos quadros da Fundação Getulio Vargas, nas quais constem a sua identificação como tais, em artigos e entrevistas publicados nos meios de comunicação em geral, representam exclusivamente as opiniões dos seus autores e não, necessariamente, a posição institucional da FGV. Portaria FGV Nº19
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Ensino

Acompanhe na rede

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.