A- A+

E ele voltou... o Brasil no segundo governo Vargas

<<  Luís Simões Lopes

Luís Simões Lopes nasceu em Pelotas (RS), em 1903. Seu pai, Ildefonso Simões Lopes, foi influente político durante a República Velha e um dos principais articuladores da Aliança Liberal, em 1930.

Engenheiro agrônomo, em 1921 ingressou na Escola Superior de Agricultura Luís de Queirós, em Piracicaba (SP), transferindo-se dois anos depois para a Escola Mineira de Agricultura e Veterinária de Belo Horizonte, concluindo seu curso em 1924. Após formar-se, trabalhou no Ministério da Agricultura, chegando a ocupar, ainda na década de 20 o posto de oficial-de-gabinete do ministro Miguel Calmon.

Em 1929, quando apoiava a candidatura de Getúlio Vargas à presidência da República, Luíz Simões Lopes e seu pai envolveram-se numa luta corporal com o deputado situacionista Manuel Francisco de Souza Filho, que acabou assassinado por tiros desferidos por Ildefonso. Ambos foram então presos, sendo absolvidos em agosto de 1930, quando a Justiça acatou a tese de legítima defesa.

Em novembro daquele ano, após a vitória do movimento revolucionário que levou Vargas ao poder, foi nomeado oficial-de-gabinete da Secretaria da Presidência da República, cargo que ocuparia até março de 1937. A partir de 1935, passou a colaborar ativamente na reforma administrativa empreendida pelo governo federal, que culminou na criação, em 1938, do Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP). Foi então nomeado presidente do novo órgão, implementando uma política de racionalização e integração do serviço público, bem como de qualificação do funcionalismo.

O DASP exerceria forte influência nas políticas governamentais durante o Estado Novo, sendo o responsável pela elaboração e controle de todo o orçamento federal, até então uma atribuição do ministério da Fazenda. A centralização que marcou o novo regime determinou ainda que os orçamentos estaduais e municipais tivessem sua administração supervisionada pela Comissão de Estudos e Negócios Estaduais, órgão do qual Luíz Simões Lopes também fazia parte. Ainda como presidente do DASP, participou, em 1939, da missão brasileira enviada aos Estados Unidos sob a chefia do ministro Oswaldo Aranha.

Em dezembro de 1944, assumiu a presidência da recém-criada Fundação Getúlio Vargas (FGV), órgão cujo objetivo principal era promover a formação de pessoal qualificado para a administração pública e privada. Luíz Simões Lopes permaneceria à frente da FGV por muitos anos, tendo promovido a ampliação das atividades da fundação.

Em 1945, com a queda de Vargas, deixou a presidência do DASP.

Entre 1951 e 1952, durante o segundo governo Vargas, dirigiu a Carteira de Exportação e Importação do Banco do Brasil (CEXIM). Em 1954, foi eleito primeiro presidente do conselho de administração do Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM). Foi também, durante muitos anos, diretor da Sociedade Nacional de Agricultura, entidade que presidiu entre 1960 e 1979 e à frente da qual promoveu intenso combate às propostas de reforma agrária. Durante sua vida foi também diretor de inúmeras empresas privadas.

Morreu no Rio de Janeiro, em 1994.

[Fonte: Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001]

  Twitter Facebook Youtube Flickr Eclass      Mais   

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2017. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede