A- A+

E ele voltou... o Brasil no segundo governo Vargas
<<  Estillac Leal

Newton Estillac Leal nasceu no Rio de Janeiro, em 1893. Cursou a Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, na segunda metade da década de 1910, quando travou contato com muitos dos futuros líderes das revoltas tenentistas deflagradas contra o governo federal no decorrer da década seguinte.

Em 1922 deu apoio discreto à primeira dessas revoltas, deflagrada no Forte de Copacabana, na capital federal, estendendo-se também para a Vila Militar, onde servia. Já em 1924, teve participação ativa na articulação e na deflagração do levante ocorrido na capital paulista sob o comando do general Isidoro Dias Lopes e do oficial da Força Pública estadual, Miguel Costa. Após cerca de três semanas controlando a cidade, os rebeldes decidiram retirar-se em direção ao estado do Paraná, operação que contou com a participação destacada de Estillac. Ferido, retirou-se para o exílio na Argentina.

Em 1929 foi favorável à aproximação entre os tenentes e os grupos oligárquicos dissidentes que haviam formado a Aliança Liberal com a finalidade de lançar o gaúcho Getúlio Vargas como candidato de oposição às eleições presidenciais marcadas para março de 1930. Realizado o pleito e definida a vitória do candidato situacionista, Júlio Prestes, iniciaram-se imediatamente as articulações no interior da Aliança Liberal com vistas à deflagração de um levante armado que evitasse a posse do candidato eleito. Estillac Leal fez parte, então, do estado-maior revolucionário que provocou a queda do governo federal em outubro daquele ano, participando de operações militares no Rio Grande do Sul e estados vizinhos.

Após a posse do novo governo, liderado por Getúlio Vargas, participou do Clube 3 de Outubro, organização que procurava dar coesão aos revolucionários identificados com o movimento tenentista. Por essa época, contudo, priorizou a sua carreira no Exército, deixando em segundo plano as atividades políticas.

Em 1935, quando comandava o 1º Grupo de Obuses na então capital federal, foi convidado por Luís Carlos Prestes para participar dos levantes deflagrados em novembro daquele ano em nome da Aliança Nacional Libertadora (ANL), frente anti-fascista e anti-imperialista, formada por comunistas, socialistas e "tenentes" de esquerda. Embora tenha recusado o convite, não denunciou a conspiração aos seus superiores hierárquicos, o que lhe valeu, no futuro, acusações de conivência com o movimento, ainda que tenha cumprido as ordens recebidas de dar combate aos revoltosos.

Em 1945, já como general, alertou Vargas sobre as conspirações que se desenvolviam no meio militar com o objetivo de depor o presidente, afinal concretizadas em outubro daquele ano.

Em 1949, foi nomeado comandante da Zona Militar Sul, antecessora do III Exército, sediada em Porto Alegre, posto no qual desenvolveu intensa atividade política. No ano seguinte, foi eleito presidente do Clube Militar derrotando o general Cordeiro de Farias em campanha marcada por intensa polarização ideológica. A chapa vitoriosa defendia teses nacionalistas e polêmicas, tais como o monopólio estatal do petróleo; o respeito incondicional à legalidade democrática, e o não alinhamento internacional aos Estados Unidos, com críticas, inclusive, à intervenção norte-americana na Coréia.

Em 1951, licenciou-se da presidência do Clube para assumir o Ministério da Guerra, no segundo governo de Getúlio Vargas, sendo afastado do cargo em março do ano seguinte. Meses depois, tentou reeleger-se para a presidência do Clube Militar mas foi derrotado por Alcides Etchegoyen, representante dos setores que haviam lançado Cordeiro de Farias na eleição anterior.

Em abril de 1954, assumiu o comando da Zona Militar Centro, futuro II Exército, com sede em São Paulo, exercendo o cargo até setembro deste ano. Ainda em 1954, seu nome chegou a ser cogitado por setores nacionalistas e de esquerda para disputar a eleição presidencial de 1955, mas seu desinteresse pela indicação impediu que as articulações obtivessem sucesso.

Morreu no Rio de Janeiro, em 1955.

[Fonte: Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001]

NOSSAS REDES  
Instagram Twitter Facebook Youtube Flickr Moodle        

 

 

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2017. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede