A- A+

A Era Vargas: dos anos 20 a 1945
Anos de Incerteza (1930 - 1937) > Política Econômica

Política econômica

A crise de 1929 afetou profundamente a economia brasileira. A queda do preço café, reduzido a 1/3 de seu valor entre 1929 e 1931, provocou uma redução dramática da capacidade de importar e das receitas fiscais, além de ameaçar de falência o mais importante setor econômico do país, a já endividada cafeicultura. De outro lado, a interrupção dos fluxos financeiros internacionais inviabilizava o financiamento da dívida externa dos governos federal e dos estados e até mesmo o pagamento dos juros, o que tinha repercussões negativas sobre a taxa de câmbio.

Diante desse quadro, a resposta inicial do Governo Provisório de Vargas, a par de medidas extremas e inevitáveis, como a suspensão dos pagamentos externos (setembro de 1931) e o estabelecimento do monopólio do câmbio pelo Banco do Brasil, seguiu linhas tradicionais. Procurou-se cortar despesas, negociar pontualmente as dívidas da cafeicultura e buscar um acordo com os credores externos.

Após a demissão de José Maria Whitaker, Oswaldo Aranha assumiu o Ministério da Fazenda e Artur de Sousa Costa o Banco do Brasil. Em março de 1932, foi assinado o terceiro acordo para a consolidação da dívida externa brasileira, estabelecendo um rescalonamento dos pagamentos, mas Aranha continuou a negociar novos adiamentos. Em junho de 1932 foi criada a Caixa de Mobilização Bancária (Camob), que deveria funcionar como mecanismo de proteção contra crises do sistema financeiro. No mesmo mês, a Carteira de Redesconto do Banco do Brasil foi autorizada a trabalhar com títulos de longo prazo no financiamento da agricultura e da indústria.

Contudo, a gravidade dos problemas enfrentados e acontecimentos políticos imprevistos tornaram esse curso insustentável. A Revolução Constitucionalista de 1932 e uma grande seca no Nordeste passaram a exigir pesados gastos governamentais, ampliando um já expressivo déficit. Por fim o governo promulgou a Lei do Reajustamento Econômico (Decreto n° 23.533, de 1° de dezembro de 1933), que previa o perdão de até 50% das dívidas dos cafeicultores junto a fornecedores e ao sistema financeiro. Além dessas medidas, com a criação do Instituto Brasileiro do Café, o governo federal voltou a ter uma política ativa de sustentação do preço do produto.

Os déficits governamentais, a política para com a dívida da cafeicultura e a diminuição da capacidade de importar terminaram por evitar uma crise de liquidez de maior gravidade, mantiveram de alguma forma a renda dos cafeicultores e trouxeram alguma proteção às atividades industriais, criando condições para uma razoável recuperação econômica.

Com Sousa Costa já ocupando o Ministério da Fazenda, os sinais de melhoria puderam ser sentidos na liberação do câmbio, em setembro de 1934, e nas amplas negociações com o governo americano para a obtenção de uma solução mais duradoura para a dívida externa e a assinatura de um novo tratado comercial (1935).

O agravamento da conjuntura internacional, provocado pela diminuição do ritmo de crescimento da economia americana, forçaria porém uma nova reversão do quadro. Ao final de 1937, a situação da balança comercial brasileira levou ao restabelecimento do monopólio cambial e à criação de controles sobre as importações. Diante da dificuldade brasileira de honrar o pagamento de credores e fornecedores, o governo norte-americano passou a pressionar o governo brasileiro para que revisse não somente sua política cambial, mas também os tratados comerciais firmados com a Alemanha.

NOSSAS REDES  
Instagram Twitter Facebook Youtube Flickr Moodle        

 

 

Indústria de gás e café, 1932. Santos (SP). (CPDOC/ ISL foto 025)

Oswaldo Aranha visita a Feira de Amostras no Departamento Nacional do Café, 1933. Rio de Janeiro (RJ). (CPDOC/ OA foto 105/3)

Oswaldo Aranha e o presidente Roosevelt, por ocasião da assinatura do Acordo Comercial Brasil-Estados Unidos, 1935. Washington (EUA). (CPDOC/ AO foto 144/2)

Assinatura do Acordo Comercial Brasil-Estados Unidos. Sentados, da esquerda para a direita: Souza Costa, Oswaldo Aranha, Roosevelt e Cordell Hull, 1935. Washington (EUA). (CPDOC/ SC foto 009/2)

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2017. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede