A- A+

A trajetória política de João Goulart

<<  Marcio Moreira Alves

Márcio Emanuel Moreira Alves nasceu no dia 14 de julho de 1936, no Rio de Janeiro, filho de Márcio de Melo Franco Alves e de Branca de Melo Franco Alves.

Iniciou sua carreira profissional como repórter no Correio da Manhã, no Rio de Janeiro, sendo premiado, em 1957, com o prêmio Esso de reportagem por sua matéria a respeito da crise política de Alagoas naquele ano. Entre 1958 e 1963 cursou a Faculdade de Direito da atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Entre 1961 e 1963, foi assessor de San Tiago Dantas, quando este era ministro das Relações Exteriores (1961-1962) e ministro da Fazenda (1963).

Adversário do governo de João Goulart (1961-1964), apoiou inicialmente o golpe militar de 31 de março de 1964, voltando-se contra o regime de força por ele instituído a partir da edição, em abril, do Ato Institucional nº 1. No mesmo ano, juntamente com os jornalistas Oto Maria Carpeaux, Edmundo Muniz, Hermano Alves e Carlos Heitor Cony, comandou forte campanha em defesa dos presos políticos, denunciando a prática de torturas em prisões brasileiras.

Em 1966, foi eleito deputado federal pela Guanabara, pelo Movimento Democrático Brasileiro, partido de oposição. Em 2 de setembro de 1968, fez um discurso na Câmara protestando contra a invasão da Universidade de Brasília pela Polícia Militar. O tom radical do seu discurso e a não aceitação da Câmara do pedido de cassação de seu mandato, encaminhado pelo Supremo Tribunal Federal, serviu como estopim para a edição do Ato Institucional nº 5 (AI-5), em dezembro daquele ano.

Cassado pelo AI-5, Moreira Alves deixou clandestinamente o país ainda em dezembro de 1968, em direção ao Chile, onde permaneceu até 1971. Durante esse período, percorreu a Venezuela, a Colômbia, o Equador, o Peru, a Argentina, a Bolívia, o México e os Estados Unidos, fazendo conferências em mais de 40 universidades. Em 1971 transferiu-se para França, doutorando-se pela Fundação Nacional de Ciências Políticas de Paris. Em 1974, instalou-se em Lisboa, onde viveu até seu retorno ao Brasil, em 1979, após o decreto de anistia. Com o fim do bipartidarismo em novembro daquele ano e a posterior reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e, nessa legenda, concorreu a uma cadeira na Câmara dos Deputados pelo Rio de Janeiro em novembro de 1982, obtendo apenas uma suplência.

Entre 1982 e 1984, assessorou Luís Carlos Bresser Pereira na presidência do Banco do Estado de São Paulo, e entre 1984 e 1986 assessorou o mesmo Bresser Pereira na Secretaria de Governo de São Paulo. Ainda em 1986, encerrou suas atividades de colaboração para o jornal carioca Tribuna da Imprensa, que vinha realizando desde 1979.

Em 1987, assumiu a subsecretaria para relações internacionais do governo de Wellington Moreira Franco no estado do Rio de Janeiro. Em 1990, deixou o governo estadual a fim de montar uma empresa de assessoria para assuntos políticos, em sociedade com o cientista político Sérgio Abranches, atividade que desenvolveria até 1993. Ainda em 1990, pediu desligamento do PMDB e retomou a carreira jornalística.

Casou-se com Marie Breux Moreira Alves, com quem teve três filhos.

[Fonte: Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001]

  Twitter Facebook Youtube Flickr Eclass      Mais   

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2017. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede

randomness