A- A+

O Governo de Juscelino Kubitschek

O Brasil de JK > Movimentos sociais no campo

Movimentos sociais no campo

Foi principalmente no governo JK que começou a ganhar evidência um dos mais novos atores na cena política brasileira, o campesinato. Até então restritos ao interior das propriedades, sujeitos à dominação dos grandes senhores, os camponeses começaram a se mobilizar, e a se organizar, lutando por direitos e por terra. É certo que esse processo se iniciou bem anteriormente, pelo menos nos anos 1940. Contudo, foi apenas na segunda metade da década de 1950 que passou a ter maior visibilidade, ocupando as primeiras páginas dos jornais, impondo-se ao debate político, projetando os camponeses nas cidades, nos centros de tomadas de decisão.

Na verdade, se isso se deu, o crédito se deve menos ao governo JK e mais à própria dinâmica dos movimentos sociais no campo. Apesar da presença e das pressões do PTB, seu aliado, JK, oriundo do PSD, partido de forte representação dos interesses agrários, experimentado nas turbulências que o ameaçaram até assumir o governo, optou por evitar tensões desestabilizadoras que certamente adviriam de qualquer medida que pudesse afetar as tradicionais relações de poder existentes no campo. Portanto, não se originou de seu governo nenhum movimento no sentido de efetivamente promover políticas destinadas a reformar a estrutura de propriedade da terra, base do poder dos grandes proprietários. De toda forma, deve-se destacar que uma de suas políticas, a de estimular o desenvolvimento regional do Nordeste via criação da Sudene, terminou por conferir, como um efeito não previsto, uma forte visibilidade a uma das organizações do campesinato, as Ligas Camponesas.

O organizador das Ligas Camponesas Francisco Julião, de terno escuro, com Zezé da Galiléia, um dos líderes do movimento. Pernambuco, 8 out. 1959 As Ligas tinham suas origens na luta dos foreiros do Engenho Galiléia, em Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata de Pernambuco. Foi lá que a primeira Liga foi criada, em 1955. Desse pólo inicial, elas rapidamente se expandiram por vários municípios, chegando mesmo a estabelecer núcleos em outros estados. Foi no Nordeste, no entanto, que a sua atuação foi mais intensa. A sua projeção nacional, Ligas camponesas, set. 1960 e também a de seu principal líder, Francisco Julião, foi embalada pela visão que se firmou do Nordeste, na década de 50, como região problema, caracterizada por calamidades climáticas como as secas, pela miséria, pela fome, por índices altos de mortalidade e baixos de saúde e educação, constituindo-se, enfim, em uma das representações do atraso. Anísio Teixeira(à direita) e Celso Furtado (filme: 180/5/40A-41) Essa percepção se difundiu por obra de um setor das elites locais, de políticos, de empresários, de religiosos e de intelectuais como Celso Furtado, que passaram a mobilizar recursos e a pressionar o governo para que fossem implementadas políticas que beneficiassem a região. A correção dos problemas do Nordeste era apresentada como um passo importante para aprumar o curso do desenvolvimento da nação como um todo. Foi desse movimento que resultou a criação da Sudene, em 1959.

Juntamente com a percepção do Nordeste como região-problema, afirmou-se o diagnóstico de que na raiz de todas as suas mazelas encontravam-se o latifúndio e os proprietários tradicionais. Os latifundiários foram mesmo apontados como beneficiários das secas, acusados de canalizar em proveito próprio os recursos do antigo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS). "Industriais da seca", tal foi o termo utilizado pelo jornalista Antônio Calado, do Correio da Manhã, para referir-se a eles.

Nesse contexto, a mobilização no campo passou a ser vista como resposta lógica, como conseqüência inevitável da situação existente, e, mais do que isso, como uma antecipação do que ocorreria no país como um todo, caso não se realizasse uma reforma agrária. Tal era o sentido dos versos do "Hino do Camponês", composto por Francisco Julião ainda em fins dos anos 1950:

    "Não queremos viver na escravidão
     Nem deixar o campo onde nascemos
     Pela terra, pela paz e pelo pão:
     Companheiros, unidos venceremos.

 

     Hoje somos milhões de oprimidos
     Sob o peso terrível do cambão
     Lutando, nós seremos redimidos.
     A Reforma Agrária é a solução." 1
1 Apud Medeiros, Leonilde Sérvolo de. História dos movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro, FASE, 1989. p. 70.

Mario Grynszpan

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2012. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • MELHOR SE VISUALIZADO EM 1024 X 768 • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera

                                                                                                                                                                 

Educação Executiva Presencial, Customizada e a Distância