A- A+

E ele voltou... o Brasil no segundo governo Vargas
Preparando a volta: de São Borja para o Catete > De norte a sul do Brasil - a caravana do candidato Vargas

De norte a sul do Brasil - a caravana do candidato Vargas

Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950 no estado do Rio de Janeiro, entre 9 ago e 30 set 1950. A campanha eleitoral de Getúlio Vargas foi aberta no dia 9 de agosto de 1950, em Porto Alegre, e encerrada em 30 de setembro, em São Borja. Da capital gaúcha, o ex-presidente seguiu para São Paulo e daí para o Rio de Janeiro. Da capital federal dirigiu-se para o interior de Minas Gerais (Pirapora) e daí para o interior maranhense (Carolina). Getúlio Vargas, em campanha para a presidência da República, sendo recebido pelo jornalista Geraldo Rocha em sua chegada a Salvador (BA), vendo-se ainda sua filha Alzira Vargas do Amaral Peixoto. Entre jul. e out. de 1950. Percorreu o Norte e veio descendo o Nordeste, parando na Bahia, onde falou em quatro cidades. Em seguida, visitou o Espírito Santo e o Estado do Rio, onde falou igualmente em quatro cidades. A etapa posterior incluiu os estados de Minas, Goiás e Mato Grosso, o interior de São Paulo e finalmente o Sul. Nesses 53 dias, Vargas esteve em todos os 20 estados brasileiros e no Distrito Federal, e visitou todas as capitais e mais 54 cidades. Três estados receberam atenção especial: Rio Grande do Sul (21 cidades), São Paulo (14) e Minas Gerais (sete).

Getúlio Vargas em campanha para a presidência da República em Vitória (ES). Entre 9 ago e 30 set 1950. A estratégia de Vargas, nos 80 discursos que pronunciou, foi abordar em cada cidade o tema que falava mais de perto à platéia local. Assim, se na Amazônia os pontos Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Manaus (AM), 25 ago 1950. enfatizados foram nacionalismo e borracha, no Paraná, dedicou-se sobretudo ao café e no Mato Grosso, à pecuária. O nacionalismo foi novamente a palavra-chave na Bahia, ao lado de petróleo, cacau e aproveitamento do rio São Francisco. No Estado do Rio, a tônica foi a situação da lavoura canavieira, em Campos, e a siderurgia, em Volta Redonda, ao passo que no Ceará os problemas da seca concentraram as suas atenções.

Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Cuiabá (MT), entre 9 ago e 30 set 1950. A empolgante campanha de Getúlio demonstrou o forte apelo popular de seu nome, bem como a ampla receptividade das idéias por ele defendidas. Em linhas gerais, as duas principais bandeiras levantadas pelo candidato foram a Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Belo Horizonte (MG), entre 9 ago e 30 set 1950. questão nacional e os programas de reforma social. A primeira fez-se presente nas referências à criação da Companhia Vale do Rio Doce, da Fábrica Nacional de Motores e da Companhia Siderúrgica Nacional (usina de Volta Redonda), destacadas por Vargas como os três marcos na luta pela Getulio Vargas e o governador Ademar de Barros durante a campanha para a presidência da República. São Paulo (SP), entre 9 ago e 30 set 1950. independência econômica do Brasil. A nacionalização das riquezas do subsolo também constituiu um ponto central no projeto nacionalista de Vargas. Vale frisar que esse projeto tinha limites muito claros, não pretendendo colocar em risco a presença do capital estrangeiro nem promover mudanças mais profundas na ordem econômica. Vargas também criticou a política econômica seguida pelo governo Dutra, advogando a necessidade de acelerar a industrialização.

Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Curitiba (PR), entre 9 ago e 30 set 1950. Quanto às reformas sociais, elas foram associadas à continuação dos princípios renovadores que teriam sido as forças propulsoras da Revolução de 1930. Falando como "pai" do trabalhismo e da legislação social, Getúlio defendia a extensão das leis trabalhistas aos trabalhadores do campo e deixava claro que isso se daria Campanha de Getulio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Belém (PA), entre 9 ago e 30 set 1950. sem o apelo à luta de classes. Por intermédio do trabalhismo, a sociedade brasileira conseguiria a harmonia entre as classes: o capital e o trabalho deveriam se unir para atingir o bem comum. A retórica populista também esteve presente, quando Vargas se proclamava um candidato mais do que estritamente partidário. Seu nome teria surgido do reclamo popular, do anseio de todas as classes, mas sobretudo dos mais humildes, dos pobres e dos desempregados.

Sérgio Lamarão

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2020. Todos os direitos reservados • As manifestações expressas por integrantes dos quadros da Fundação Getulio Vargas, nas quais constem a sua identificação como tais, em artigos e entrevistas publicados nos meios de comunicação em geral, representam exclusivamente as opiniões dos seus autores e não, necessariamente, a posição institucional da FGV. Portaria FGV Nº19
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.