A- A+

A Era Vargas: dos anos 20 a 1945
<<  José Maria Whitaker

José Maria Whitaker nasceu em São Paulo, em 1878.

Advogado, diplomou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo, em 1896. Nos tempos de estudante, manteve contato na faculdade com grupos políticos de tendência monarquista. Após concluir seus estudos, passou a exercer a advocacia no interior paulista. Em 1903, abriu uma firma de comércio de café, com a qual obteve grande prosperidade econômica. Em 1910, assumiu a presidência da Associação Comercial de Santos. Durante a década de 10, expandiu seus negócios para a área financeira.

Em dezembro de 1920 assumiu, a convite do presidente Epitácio Pessoa, a presidência do Banco do Brasil, onde desenvolveu uma gestão marcada pela austeridade administrativa, responsável pela recuperação econômica do órgão. Nesse sentido, colocou-se contra a política do governo de financiar a compra de estoques excedentes de café, com o objetivo de proteger o preço do produto. Deixou o cargo no final de 1922. Anos mais tarde, durante o governo de Washington Luís, recusou convite para voltar a dirigir a instituição, por discordar das linhas gerais da política econômica do governo.

Ligado ao Partido Democrático de São Paulo (PD), assumiu o Ministério da Fazenda imediatamente após a posse de Getúlio Vargas na presidência da República, em novembro de 1930. A grave crise econômica mundial então vivida, que atingia duramente o setor cafeeiro, fez com que Whitaker abrisse mão, em parte, de suas convicções liberais e não intervencionistas e aceitasse promover a compra de estoques excedentes de café. Mesmo assim, sua política de contenção dos gastos públicos acabou por fazê-lo alvo de críticas dos cafeicultores paulistas, que o acusavam, junto com o secretário de Fazenda do governo paulista, Numa de Oliveira, de favorecer os banqueiros em detrimento da lavoura. Pressionado, deixou o ministério em novembro de 1931.

No ano seguinte, teve modesta participação no movimento armado promovido pelas forças políticas paulistas em torno da bandeira da reconstitucionalização do país. A pequena dimensão de seu envolvimento no levante paulista, bem como o seu grande prestígio nos meios econômicos, livraram-no das represálias e perseguições sofridas pelos líderes constitucionalistas após a derrota do movimento, em outubro de 1932. Em seguida, retirou-se da vida pública e, durante muitos anos, dedicou-se exclusivamente aos seus negócios privados.

Retornou ao Ministério da Fazenda por um curto período, entre abril e novembro de 1955, durante o governo do presidente Café Filho.

Morreu em São Paulo, em 1970.

[Fonte: Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001]

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2020. Todos os direitos reservados • As manifestações expressas por integrantes dos quadros da Fundação Getulio Vargas, nas quais constem a sua identificação como tais, em artigos e entrevistas publicados nos meios de comunicação em geral, representam exclusivamente as opiniões dos seus autores e não, necessariamente, a posição institucional da FGV. Portaria FGV Nº19
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.