A- A+

A Era Vargas: dos anos 20 a 1945

<<  Heitor Villa-Lobos

Heitor Villa-Lobos nasceu no Rio de Janeiro, em 1887.

Considerado uma das figuras mais importantes da história da música no Brasil, aprendeu a tocar violoncelo aos seis anos de idade com o pai, músico amador. Foi também nessa época que conheceu a obra de Bach, que tanto o influenciaria no futuro. Mais tarde, residiu com a família no interior do Estado do Rio e de Minas Gerais, entrando em contato com as modas caipiras e tocadores de viola. De volta ao Rio de Janeiro, interessou-se pelos "chorões", músicos que tocavam em festas e durante o carnaval, levando-o a estudar violão.

Em 1905, começou a percorrer o Brasil, familiarizando-se com a temática da música popular - cantigas de viola, reisados, frevos. Durante anos recolheu e anotou mais de 1.000 temas folclóricos. Dez anos depois, fez sua estréia como compositor, apresentando-se numa série de concertos no Rio de Janeiro. Nessa época, enquanto compunha suas obras, sobrevivia tocando violoncelo nas orquestras dos teatros e cinemas cariocas. A modernidade de sua música provocou reações adversas nos jornais.

Em 1922, participou da Semana de Arte Moderna de São Paulo, apresentando no Teatro Municipal obras de sua autoria em primeira audição. A partir de 1922, seu trabalho revelou crescente afinamento com a temática nacionalista e modernista que presidiu a Semana. Já bastante conhecido no meio musical brasileiro, Villa-Lobos transferiu-se em 1923 para Paris, onde permaneceu um ano. Em 1927, retornou à capital francesa para organizar concertos e publicar trabalhos. A partir de então, ganhou prestígio internacional, apresentando suas composições em recitais e regendo orquestras nas principais capitais européias, causando forte impressão por suas ousadias musicais.

De volta ao Brasil em 1930, apresentou à Secretaria de Educação do Estado de São Paulo um projeto inovador de educação musical, que foi aceito pelas autoridades. Depois de dois anos de trabalho, transferiu-se para o Rio de Janeiro, a convite do secretário de Educação do Distrito Federal, Anísio Teixeira, com a missão de introduzir o ensino de música e canto coral nas escolas públicas. Foi nesses anos que iniciou a composição do que viria a ser as nove "Bachianas brasileiras".

Durante a ditadura do Estado Novo (1937-1945), organizou, com o apoio do presidente Getúlio Vargas, grandiosas concentrações orfeônicas que chegaram a reunir cerca de 40 mil escolares sob sua batuta. Nesses anos, suas peças eram empregadas na propaganda do regime. Em 1944, Villa-Lobos realizou uma turnê pelos Estados Unidos, como parte da chamada "política da boa vizinhança" praticada pelo presidente Franklin Roosevelt no contexto da Segunda Guerra Mundial.

Faleceu no Rio de Janeiro, em 1959, deixando cerca de 1.500 peças, nos mais diversos gêneros e para as mais diversas formações instrumentais e vocais. No ano seguinte, foi fundado, em sua homenagem, o Museu Villa-Lobos, no Rio de Janeiro.

  Twitter Facebook Youtube Flickr Moodle      Mais   

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2012. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • MELHOR SE VISUALIZADO EM 1024 X 768 • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera