A- A+

A Era Vargas: dos anos 20 a 1945
<<  Candido Portinari

O pintor Candido Portinari nasceu em Brodósqui (SP) em 1903. Filho de imigrantes italianos, foi criado numa fazenda de café. Essa vivência de infância marcou profundamente a sua produção artística. Já adulto lembrava: "Impressionavam-me os pés dos trabalhadores das fazendas de café. Pés disformes. Pés que podem contar uma história. Confundiam-se com as pedras e espinhos. Pés semelhantes aos mapas: com montes e valas, vincos como rios."

Aos 15 anos Portinari foi para o Rio de Janeiro, matriculando-se na Escola Nacional de Belas Artes, onde estudou com Lucílio Albuquerque e Rodolfo Amoedo. Em 1928, com o retrato de Olegário Mariano, conquistou o Prêmio de Viagem ao Estrangeiro da Exposição Geral de Belas Artes. Permaneceu em Paris durante o ano de 1930. No ano seguinte, a convite de Lúcio Costa, então diretor da Escola Nacional de Belas Artes, participou do Salão de Arte Moderna. Em 1932, realizou exposição individual no Palace Hotel do Rio de Janeiro. Em 1935, obteve a 2ª Menção Honrosa na Exposição Internacional do Instituto Carnegie, de Pittsburgh, nos Estados Unidos, com a tela "Café". Nesse mesmo ano lecionou no Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal. A convite do Ministro Capanema, em 1936 realizou o seu primeiro mural para o Monumento Rodoviário da estrada Rio-São Paulo.

Entre 1936 e 1945 realizou vários murais sobre os ciclos econômicos brasileiros e painéis de azulejos no recém construído edifício do Ministério da Educação no Rio de Janeiro. Estes trabalhos representaram um marco na evolução da arte de Portinari, reafirmando-se sua escolha pela temática social. Em 1939, realizou três painéis para o pavilhão brasileiro na Exposição Internacional de Nova Iorque. No ano seguinte participou de uma mostra de arte latino americana no Riverside Museum de Nova Iorque e expôs no Instituto de Artes de Detroit e no Museu de Arte Moderna em Nova Iorque, sendo convidado, logo após, para executar os murais da Fundação Hispânica da Biblioteca do Congresso em Washington, em torno de temas da história latino americana.

Em 1943, de volta ao Brasil, realizou oito painéis conhecidos como Série Bíblica, onde deixou visível a influência da obra de Picasso, "Guernica".

A convite do arquiteto Oscar Niemeyer iniciou obras de decoração do conjunto arquitetônico da Pampulha em Belo Horizonte, destacando-se, na Igreja de S. Francisco, o mural de S. Francisco e a Via Sacra. Sensibilizado com o clima violento da guerra reforçou ainda mais o cunho social de suas obras com telas como "Os Retirantes" (1944) e "Meninos de Brodósqui" (1946) Foi por essa ocasião que decidiu entrar para o Partido Comunista, sendo candidato a deputado em 1945 e a senador em 1947. Casou-se com Maria Portinari, com quem teve um filho. Morreu no Rio de Janeiro, em 1962.

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2020. Todos os direitos reservados • As manifestações expressas por integrantes dos quadros da Fundação Getulio Vargas, nas quais constem a sua identificação como tais, em artigos e entrevistas publicados nos meios de comunicação em geral, representam exclusivamente as opiniões dos seus autores e não, necessariamente, a posição institucional da FGV. Portaria FGV Nº19
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.