A- A+

Memória do Cinema Documentário Brasileiro: histórias de vida

<<   Vladimir Carvalho
Vladimir Carvalho

Vladimir Carvalho nasceu em Itabaiana, no estado da Paraíba, em 31 de janeiro de 1935. Ainda criança é conduzido à Recife, aonde vive aos cuidados da tia materna, para cursar o primário. Em 1949 volta à Paraíba e se estabelece João Pessoa. Neste ano nasce seu irmão, Walter Carvalho. Terminado o ginásio, em 1954, onde foi aluno de geografia de Linduarte Noronha, que ainda não era cineasta e ingressa no curso clássico. Fazia um programa de rádio, Luzes do Cinema, em 1959 e colaborou na imprensa local como crítico iniciante, ganhando o apelido de Vladimir Vorochenko por conta da mania de filmes russos-soviéticos. Neste mesmo ano Linduarte Noronha o convida para escrever o roteiro de Aruanda, do qual seria, depois, também assistente de direção, com João Ramiro Mello. Após terminar o secundário, em João Pessoa, começa o curso universitário de filosofia na Universidade Federal da Paraíba. A fim de ir ao encontro de um dos grandes núcleos do Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional dos Estudantes (UNE), transferiu sua matrícula da faculdade para a Universidade da Bahia, em Salvador. Lá conheceu Glauber Rocha e integrou o chamado movimento do Cinema Novo, sendo parte da vertente documentarista do movimento. Com João Ramiro e produz, em 1962, seu primeiro filme, Os Romeiros da Guia, um curta-metragem, filmado em preto e branco, com uma câmera de 35 mm. Em 1964, Vladimir é convidado por Eduardo Coutinho, para ser seus assistente de direção do seu filme Cabra Marcado para Morrer (1964/1984). Com o golpe militar de abril de 1964, Vladimir Carvalho e Eduardo Coutinho interrompem as filmagens de Cabra Marcado para Morrer e passam a viver na clandestinidade. Vai então para o Rio de Janeiro, onde é apresentado a Arnaldo Jabor, jovem cineasta do movimento cinemanovista carioca, que o convida a ser seu assistente de direção no documentário Opinião Pública (1966), sobre a juventude da classe média carioca em tempos de regime totalitário. Em 1967, durante o Festival de Brasília rencontra seu companheiro deCabra Marcado para Morrer, o fotógrafo Fernando Duarte, que lhe convida para continuar em Brasília com o objetivo de realizar o projeto do núcleo de produção de documentários do centro-oeste pela Universidade de Brasília. Vladirmir torna-se então professor da Universidade de Brasília, aonde leciona até hoje. Sua obra cinematográfica é constituída por documentários que totalizam 23 títulos e vários prêmios. Fundou, em Brasília, a Associação Brasileira de Documentaristas e em 1994 cria a Fundação Cinememória, que abriga todo o seu acervo.

 

 

© Todos os direitos reservados à FGV.

Topo da Página SUMÁRIO - ENTREVISTA 29.07.2015

  SumarioVladimirCarvalho.pdf

Clique para assistir
1º Bloco
O primeiro contato com o Cinema: a infância em Itabaiana-PB; o costume de frequentar o cinema; os primeiros filmes; o impacto de filme documental O Homem de Aran; a entrada para a faculdade de Cinema e o convite para o projeto Aruanda.
 
Clique para assistir
2º Bloco
O Cabra Marcado para Morrer: a decisão por sair da Paraíba; o movimento estudantil na Bahia; o início das filmagens de O Cabra Marcado para Morrer; o Golpe Militar e o fim das gravações.
 
Clique para assistir
3º Bloco
A clandestinidade e o Rio de Janeiro: a fuga para Recife e a perseguição instaurada; a clandestinidade e a mudança para o Rio de Janeiro; a profissão no jornal; o curta-metragem A Bolandeira e a oportunidade de trabalho em Brasília..
 
Clique para assistir
4º Bloco
A Universidade de Brasília (UnB): o curso de Cinema da UnB; a filmagem da invasão dos militares na UnB que resultou no filme Bar 68; a produção cinematográfica conciliada à docência; a trilogia sobre Brasília – Conterrâneos Velhos de Guerra, Bar 68 e Rock Brasília.
 
Clique para assistir
5º Bloco
O País de São Saruê: a interdição do filme O País de São Saruê na censura; a suspensão do Festival de Brasília; a liberação tardia do filme pela censura.
 
Clique para assistir
6º Bloco
O Documentário Brasileiro: a ascensão do cinema documentário no Brasil; a criação da ABD (Associação Brasileira de Documentaristas) e as diversas associações de cinema brasiliense; a fomentação cultural do cinema brasiliense e o surgimento do Festival de Brasília.
 
Clique para assistir
7º Bloco
O Cinema Novo e O Homem de Areia: o contato e a inserção no Cinema Novo; o longa metragem O Homem de Areia; a influência do romancista José Américo durante a sua infância; o encontro com José Américo e a inspiração para o filme.
 
Clique para assistir
8º Bloco
O fim da censura e a Fundação Cine Memória: o longa metragem O Evangelho Segundo Teotônio, inspirado no político Teotônio Vilela; os problemas com a censura e o reflexo na bilheteria do filme; a exibição da retrospectiva da sua obra homenageada no Uruguai; a conclusão do filme Conterrâneos Velhos de Guerra após o fim da ditadura; a criação da Fundação Cine Memória com o seu acervo pessoal.
 
Clique para assistir
9º Bloco
Novos Projetos: a influência do escritor José Lins do Rego durante a sua infância e a sua inspiração para o filme O Engenho de Zé Lins; o interesse pelo modernismo e uma nova trilogia – José Américo de Almeida, José Lins do Rego e Cícero Dias; o projeto pessoal sobre o pintor Cícero Dias; o projeto coletivo sobre a transposição do rio São Francisco na Paraíba.
 
 

TranscricaoVladimirCarvalho.pdf

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2015. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • MELHOR SE VISUALIZADO EM 1024 X 768 • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

                                                                                                                                                                 

Educação Executiva Presencial, Customizada e a Distância

                                                                                                                                                70 Anos FGV            FGV Notícias         FGV News  

                                                                                                             

 

 

randomness