A- A+

BRASÍLIA, 50 ANOS

PARA SABER MAIS: GALERIA DE CARTÕES POSTAIS

O Arquivo Público do Distrito Federal, na celebração do cinquentenário da fundação de Brasília, apresenta A História de Brasília em Cartões Postais. As imagens contemplam a construção, inauguração e personalidades importantes envolvidas na edificação da nova capital.

A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Obra de Maria Martins, em bronze, “Rito dos Ritmos” está localizada nos jardins internos do Palácio da Alvorada. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Brasília Palace Hotel, inicialmente chamado Hotel de Turismo, foi inaugurado em 1958. Projetado por Oscar Niemeyer, obedece a conceitos da arquitetura modernista, com fachadas e pilotis livres. Formas leves e suaves, com inserção de painéis artísticos assinados por Athos Bulcão. Foi o primeiro hotel de grande porte da cidade, com 13 mil m2. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Projeto de Oscar Niemeyer, o Palácio do Planalto foi construído em 1958. Localizado na Praça dos Três Poderes, é uma obra de pureza de linhas curvas e retas, sóbrio e elegante. É a sede do Poder Executivo brasileiro. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Localizado no Eixo Monumental-Oeste, o Memorial JK tem forma semelhante a uma pirâmide cortada, revestida em mármore branco. No alto, é sustentada por estrutura em abóboda, de concreto, onde está a estátua de Juscelino, cujo corpo descansa na câmara mortuária. Seu projeto é de autoria de Oscar Niemeyer, ostentando painéis de Athos Bulcão e vitrais de Marianne Peretti. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Cruzamento dos eixos monumental e rodoviário: Brasília “nasceu do gesto primário de quem assinala um lugar ou dele toma posse; dois eixos cruzando-se em ângulo reto, ou seja, o próprio sinal da cruz”. Texto de Lúcio Costa em seu projeto para o Plano Piloto. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). A Universidade de Brasília (UnB) teve sua criação autorizada pela Lei nº 3.998, de 15/dez./1961, e foi inaugurada em 21/abr./1962. Teve como primeiro reitor o antropólogo Darcy Ribeiro, e no Brasil foi a primeira a ser dividida em institutos centrais e faculdades. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Também conhecida como Ponte das Garças e Ponte Gilberto Salomão, a Ponte Presidente Médici foi a primeira a ser construída. Inaugurada em 14/jan./1974, liga o Lago Sul à Asa Sul. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Projeto de Oscar Niemeyer, a ponte Costa e Silva foi inaugurada em 6/fev./1976. Segunda ponte a ser construída no Lago Paranoá, destaca-se pela simplicidade e leveza de suas linhas. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Idealizada pelo educador Anísio Teixeira, a Escola Parque consta do Projeto de educação Pública para Brasília como parte da formação integral dos alunos. Foi tombada pelo Decr. Nº 24.861, de 4/ago./2004. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). O Teatro Nacional Claudio Santoro é o maior conjunto arquitetônico projetado por Oscar Niemeyer em Brasília: tem a forma de uma pirâmide sem ápice, típica da arquitetura asteca. Sua construção foi iniciada a 30/jul./1960 e concluída a 21/abr./1981, período no qual teve várias inaugurações. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Projeto de Oscar Niemeyer, o Cine Brasília foi inaugurado a 13/abr./1960. Foi o primeiro cinema da nova capital, razão que levou a seu tombamento em 7/dez./2007, pelo Decr. Nº 28.519. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Projeto urbanístico de Lúcio Costa, o Setor Comercial Sul foi concebido para ser o coração financeiro e comercial do novo Distrito Federal. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Avenidas W-3 Sul e Norte: o Relatório do Plano Piloto referia-se à W-3 como destinada ao abastecimento das residências ao longo da faixa rodoviária. Em pouco tempo, a W-3 Sul tornou-se o principal centro de comércio da cidade, devido á instalação de grandes lojas, magazines e bancos. Com o crescimento da cidade, a W-3 Norte também assumiu a mesma finalidade. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer, o Setor Militar Urbano (SMU), contou também com planejamento paisagístico de Burle Marx. É um conjunto de 10 prédios, com quartéis do Exército brasileiro. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Projetada por Oscar Niemeyer, a Catedral Metropolitana teve sua pedra fundamental lançada em 12/set./1958. Sua construção prolongou-se ao longo de 12 anos, sendo consagrada em 12/out./1967, quando recebeu a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Só foi inaugurada, em 31/maio/1970. É sustentada por 16 colunas de concreto, unidas por vitrais de autoria de Marianne Peretti, e sua entrada, composta por estátuas em bronze dos apóstolos S. Mateus, S. Marcos, S. Lucas e S. João, de autoria de Alfredo Ceschiatti. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer, com construção em madeira sobre pilotis, o Catetinho foi a primeira residência oficial da Presidência da República, na nova capital. Sua construção se deu em dez dias, com recursos reunidos por amigos de JK, que lá dormia e trabalhava quando em Brasília. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Inaugurada em 15/dez./2002, a Ponte JK liga o Lago Sul, Paranoá e São Sebastião ao Plano Piloto. Obra do arquiteto Alexandre Chan, foi considerada em 2002 a ponte mais bonita do mundo, acumulando vários prêmios internacionais. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). A Torre de TV Digital, projeto de Oscar Niemeyer, que a apelidou de “Flor do Cerrado”. Localiza-se no Colorado, em Sobradinho, e foi inaugurada em 21/abr./2010. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Louis Ferdinand Cruls (1848), militar, foi quem demarcou o lugar da nova capital. Diretor do Observatório Astronômico do Rio de Janeiro, chefiou a Comissão exploradora do Planalto Central do Brasil com o objetivo de iniciar os estudos para a demarcação do Distrito Federal. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Djalma Polli Coelho (1892), militar e engenheiro geógrafo, foi quem ampliou o “Quadrilátero Cruls”. Presidiu a Comissão de Estudo para a Localização da Nova Capital do Brasil – nomeada pelo presidente Eurico G. Dutra –, cujas conclusões foram entregues em ago./1948. A nova área ficou conhecida como “Retângulo do Congresso”. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Aguinaldo Caiado de Castro (1899), militar, comandou a Comissão de Localização da Nova Capital, promovendo o levantamento aerofotogramétrico e fotoanálise da área, determinantes para a escolha do local da Nova Capital. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). José Pessoa (1885), militar, foi nomeado pelo presidente Café Filho para presidir a Comissão de Localização da Nova Capital. Propôs a desapropriação das terras para a construção de Brasília, tornando-se o grande responsável pela consolidação do projeto de transferência da capital. No governo JK, chegou a presidir a Comissão por mais alguns meses. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Ernesto Silva (1914), médico e militar, integrou a primeira diretoria da NOVACAP. Em 1954 secretariou a Comissão de Localização da nova Capital Federal. Com a eleição de Juscelino Kubitschek, assumiu a presidência da comissão de Planejamento da Construção e da Mudança da Capital Federal. Em 1956 foi quem conduziu o edital para a escolha do Plano Piloto de Brasília. Realizou trabalho administrativo notável, principalmente o Plano de Educação e de Saúde para a nova capital. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). José Ludovico de Almeida, médico e governador de Goiás, foi quem, em 1955, tornou de utilidade pública a área escolhida pela Comissão de Localização da Capital Federal para o novo Distrito Federal. Criou a Comissão Goiana de Cooperação para a Mudança da Capital Federal, promoveu a desapropriação das fazendas situadas no território a ser ocupado em terras de Goiás. Lançou ainda a Campanha Nacional em defesa da Mudança da Capital. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Bernardo Sayão (1901), vice-governador de Goiás, em set./1956 foi nomeado um dos diretores da NOVACAP. No mês seguinte, recebeu JK na primeira viagem a Brasília tendo aberto, para a ocasião, as duas primeiras pistas de pouso: na rodoferroviária e no Catetinho. Em 1958, foi encarregado por Juscelino de construir a estrada Transbrasiliana (Belém-Brasília). (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Em primeiro plano, o casal presidencial, Juscelino e Sarah Kubitschek. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Primeira missa campal, celebrada em 3/maio/1957 pelo cardeal arcebispo de São Paulo, dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta. Este local, a 10 km do aeroporto e no ponto mais alto da capital, passou a denominar-se de Cruzeiro. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010) Israel Pinheiro (1896), engenheiro e deputado federal, foi o primeiro presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (NOVACAP). Dirigiu a construção de Brasília e primeiro prefeito da nova capital. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Lúcio Costa (1902), urbanista, foi quem desenvolveu o Plano Piloto de Brasília; delineou os eixos rodoviários; desenvolveu os projetos Torre de TV, rodoviária e superquadras. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Oscar Niemeyer (1907), arquiteto, foi autor dos principais projetos arquitetônicos de Brasília: Palácio alvorada, Palácio do Planalto, Congresso Nacional, Palácio da Justiça e do Itamaraty, Esplanada dos Ministérios, Catetinho, Catedral, e Teatro Nacional, entre outros. Chefiou o Departamento de Urbanização e Arquitetura da NOVACAP durante a construção de Brasília. Integrou ainda a comissão que elegeu o projeto de Lúcio Costa para o Plano Piloto de Brasília. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Jofre Mozart Parada (1924), engenheiro, integrou a Comissão de Cooperação para a Mudança da Capital Federal como engenheiro-chefe dos serviços técnicos, e, entre 1958-1961, engenheiro-chefe da Divisão de Estudos e Projetos da Novacap. Foi responsável pela escolha e demarcação da estrutura urbana da Cidade Livre, da qual foi prefeito. Com a vitória do projeto de Lúcio Costa, trabalho na demarcação do Plano Piloto, a partir da Estaca Zero, ponto de encontro dos eixos Rodoviário e Monumental. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Athos Bulcão (1918), artista plástico, imprimiu a marca de sua elegância, sensibilidade, imaginação e vibração em mais de 200 obras em Brasília. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Bruno Giorgi, artista plástico, criou em Brasília peças como “O Meteoro” (1967), em frente ao Palácio do Itamaraty, e “Os Guerreiros”, conhecida também como “Os Candangos”. Marianne Perreti (1927), francesa, realizou projetos em vitrais e painéis de vidro para o Panteão da Pátria, a Catedral de Brasília, o Superior Tribunal de Justiça, o Congresso Nacional (“Araguaia”, no Salão Verde da Câmara dos Deputados, e vitral no Salão Nobre do Senado Federal); Palácio Jaburu, Memorial JK e Teatro Nacional. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Aeroporto internacional de Brasília Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, inaugurado oficialmente a 3/maio/1957, em homenagem a Juscelino. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Joaquim Cardoso, calculista com longa atuação junto a Oscar Niemeyer, foi por ele convidado, em 1956, para desenvolver os cálculos estruturais do Palácio da Alvorada, Congresso Nacional, Palácio do Itamaraty e Catedral Metropolitana. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Ermida Dom Bosco: projeto de Oscar Niemeyer, foi a primeira obra em alvenaria na Nova Capital. Com forma de pequena pirâmide de base triangular, e revestida em mármore branco com cruz de metal no topo, a ermida situa-se às margens do Lago Paranoá. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Inaugurada em 18/dez./1956, a Cidade Livre, hoje Núcleo Bandeirante, foi construída para abrigar os trabalhadores oriundos de outras regiões do país durante a construção de Brasília. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Projeto de Oscar Niemeyer para a Entrequadra Sul 307-308, a Igreja Nossa Senhora de Fátima é formada apenas por uma nave e sacristia. Suas paredes externas são revestidas por azulejos desenhados por Athos Bulcão, e as internas por afrescos de Volpi. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Primeiro prédio de alvenaria construído em Brasília, o Palácio da Alvorada – residência oficial do presidente da República – é projeto de Oscar Niemeyer. Está localizado na península que divide o lago Paranoá em Lago Sul e Lago Norte. Sua construção foi iniciada em 3/abr./1957, e foi inaugurado em 30/jun./1958. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010). Obra de Alfredo Ceschiatti, fundida em bronze, “As Iaras” foi, em 1958, colocada em espelho d’água do Palácio da Alvorada. (In: ARQUIVO Público do Distrito Federal. A história de Brasília em cartões postais. Brasília, Arq. DF, 2010).

Para navegar pelas imagens use o botão de rolagem do seu mouse ou clique nas imagens adjacentes. Clicando na imagem central será aberta em tamanho maior.

  Twitter Facebook Youtube Flickr Eclass      Mais   

   

 

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
RIO: Praia de Botafogo, 190, 14º andar, Rio de Janeiro - RJ - 22250-145 • Tels. (21) 3799.5676
SÃO PAULO: Avenida Paulista, 1471, 1º andar, Bela Vista - São Paulo - 01311-200 • Tel: (11) 3799 -3755
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2017. Todos os direitos reservados • Usando: Drupal! • Use versões recentes do IE, Firefox, Chrome, Opera
Lista de URLs do CPDOC Busca: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/page-sitemap

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede